Ciência com Impacto Podcast

Podcast T4E7: Helder Gomes - Valorizar os Nossos Resíduos

August 25, 2021 Ciência Com Impacto Season 4 Episode 7
Ciência com Impacto Podcast
Podcast T4E7: Helder Gomes - Valorizar os Nossos Resíduos
Chapters
Ciência com Impacto Podcast
Podcast T4E7: Helder Gomes - Valorizar os Nossos Resíduos
Aug 25, 2021 Season 4 Episode 7
Ciência Com Impacto

O composto que resulta da degradação dos resíduos sólidos urbanos, quer todos nós produzimos diariamente, pode ser valorizado. Para o investigador Helder Gomes, do CIMO – Centro de Investigação da Montanha, este composto não é um resíduo descartável. Pelo contrário, ele é uma mais-valia de onde pode extrair biomateriais para serem usados como adsorventes ou catalisadores em processos ambientais.

Esta investigação internacional, coordenada por Helder Gomes, prevê vários tipos de valorizações para o composto – que, de outra forma, iria ser classificado como lixo e seria deixado nos aterros sanitários. A alternativa é olhar para esse produto, cada vez mais abundante, e transformá-lo em materiais de carbono que podem, de seguida, ser utilizados na remoção de contaminantes em correntes gasosas ou líquidas. Ou aproveitá-los para ajudarem na aceleração de processos de degradação de poluentes na fase líquida. No fundo, utilizar parte deste composto para tratar problemas provenientes de instalações industriais – que são mais difíceis de resolver.

Estudos como este ajudam a resolver um problema crescente: o aumento exponencial de composto com origem nos resíduos sólidos urbanos. Daí a necessidade de o valorizar e de encontrar usos alternativos. O investigador do CIMO não se fica por este uso industrial. Na investigação já referida estudam-se outras aplicações – um passo essencial para criar uma economia circular na cadeia dos resíduos. 

O solocimento é um desses novos materiais com origem neste composto. No fundo, trata-se de construir tijolos com solo, cimento e composto para ser usado na construção civil – um material com boas características técnicas e de baixo custo. 

Outra das valorizações possíveis é um fertilizante líquido – que resulta do lixiviado orgânico, devidamente tratado e enriquecido com nutrientes, com aplicações na agricultura. Além destas valorizações, este composto ainda tem potencial para ser utilizado energeticamente, quer térmica, quer através da gaseificação.

Show Notes

O composto que resulta da degradação dos resíduos sólidos urbanos, quer todos nós produzimos diariamente, pode ser valorizado. Para o investigador Helder Gomes, do CIMO – Centro de Investigação da Montanha, este composto não é um resíduo descartável. Pelo contrário, ele é uma mais-valia de onde pode extrair biomateriais para serem usados como adsorventes ou catalisadores em processos ambientais.

Esta investigação internacional, coordenada por Helder Gomes, prevê vários tipos de valorizações para o composto – que, de outra forma, iria ser classificado como lixo e seria deixado nos aterros sanitários. A alternativa é olhar para esse produto, cada vez mais abundante, e transformá-lo em materiais de carbono que podem, de seguida, ser utilizados na remoção de contaminantes em correntes gasosas ou líquidas. Ou aproveitá-los para ajudarem na aceleração de processos de degradação de poluentes na fase líquida. No fundo, utilizar parte deste composto para tratar problemas provenientes de instalações industriais – que são mais difíceis de resolver.

Estudos como este ajudam a resolver um problema crescente: o aumento exponencial de composto com origem nos resíduos sólidos urbanos. Daí a necessidade de o valorizar e de encontrar usos alternativos. O investigador do CIMO não se fica por este uso industrial. Na investigação já referida estudam-se outras aplicações – um passo essencial para criar uma economia circular na cadeia dos resíduos. 

O solocimento é um desses novos materiais com origem neste composto. No fundo, trata-se de construir tijolos com solo, cimento e composto para ser usado na construção civil – um material com boas características técnicas e de baixo custo. 

Outra das valorizações possíveis é um fertilizante líquido – que resulta do lixiviado orgânico, devidamente tratado e enriquecido com nutrientes, com aplicações na agricultura. Além destas valorizações, este composto ainda tem potencial para ser utilizado energeticamente, quer térmica, quer através da gaseificação.